Notícias

- 20/03/2017

Praxe Académica

Comunicação DGES

Lisboa, 17 de Março de 2017

Na sequência da apresentação e debate em curso do estudo promovido pela Direção Geral do Ensino Superior (DGES) sobre a caracterização e análise do fenómeno social conhecido como “praxe”, venho por este meio apelar à promoção clara e inequívoca de práticas de receção e integração dos estudantes no ensino superior através da ciência e da cultura, entre outras iniciativas de âmbito cívico, social ou desportivo.

Neste contexto, apelo para a promoção e reforço de iniciativas que promovam a liberdade e emancipação dos jovens e a sua melhor integração no ensino superior. Apelo, em particular, à sua divulgação e promoção coletiva através do sítio da internet em www.exarp.pt, uma iniciativa informal que tem o impulso inicial da DGES, em parceria com a Ciência Viva, mas que esperamos venha a contar com a adesão de toda a sociedade, desde associações e movimentos estudantis, passando por entidades ligadas ao desporto, cultura e ciência, até à participação ativa dos cidadãos. O objetivo é o de promover um movimento informal da sociedade civil de estímulo à tolerância e emancipação dos estudantes do ensino superior através de iniciativas diversas, sem pretensões paternalistas de condicionar o modo como os estudantes interagem, convivem ou se divertem.

Estou convicto de que, em conjunto com as associações de estudantes e as instituições de ensino superior, bem como com o empenho de todos, será possível mudar consciências e desfazer mitos, consumando o objetivo de dar a volta à praxe.

Comprometo-me a ser parte ativa na transformação que se exige, incentivando iniciativas que fomentem a participação dos estudantes nas diversas dimensões do contexto académico, científico, cultural e social. Já no próximo dia 21 de Março, com o início da Primavera, será lançado no Instituto Superior Politécnico de Viseu, pelas 17h, um novo ciclo de concertos comentados para estudantes do ensino superior, “Música e Ciência”, pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, ao qual estou certo se juntarão muitas outras iniciativas organizadas pelas instituições, associações de estudantes e outros atores sociais e académicos, assim como a administração local.

Quando nos aproximamos do período de muitas das festas académicas típicas do final do ano letivo, designadamente em Maio, apelo, mais uma vez, a todos os dirigentes académicos e estudantis para que se mobilizem e dignifiquem o ensino superior como um espaço único e autónomo de liberdade, tolerância e emancipação dos jovens, bem como de acesso a ambientes de aprendizagem abertos às novas fronteiras do conhecimento.

As manifestações de abuso, humilhação e subserviência a que infelizmente ainda assistimos entre grupos de estudantes, sejam no espaço público ou dentro das instituições, afetam a credibilidade do ensino superior e conflituam com a missão e o propósito daqueles que o frequentam. A valorização das tradições académicas, mesmo quando existentes, não pode legitimar que se humilhe e desvalorize a autoestima dos mais novos. Essas manifestações devem ser combatidas por todos e, muito especialmente, pelos responsáveis estudantis e por instituições politécnicas e universitárias, independentemente do local de ocorrência.

Pela minha parte, tudo farei para dar a volta à praxe, valorizando as iniciativas que já hoje procuram promover a liberdade e emancipação dos jovens, assim como estimulando a criação de novas atividades que permitam a integração harmoniosa de estudantes no ensino superior, assim como a relação entre os estudantes e as suas instituições com a sociedade civil.

Divulguem as vossas iniciativas através do sítio na internet em www.exarp.pt.

Manuel Heitor,

Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior